BlogNoticias

Falta formação em tecnologia aplicada aos professores, diz pesquisa

Assim como na comunicação, o uso da tecnologia digital na educação é um caminho sem volta. A conectividade aumenta as possibilidades de pesquisa e transforma o aprendizado em uma atividade mais lúdica do que já foi quando o professor tinha apenas a lousa e o giz como recurso. A boa notícia é que as escolas estão mais conectadas do que na época pré-pandemia, mas ainda há desafios a serem vencidos.

Um deles tem a ver com a falta de preparo dos professores da rede de ensino Fundamental e Médio no mundo digital. Para a maior parte do corpo docente (75%), falta um curso específico que viabilize conhecimentos de tecnologia e ferramentas digitais que possam ser usadas em classe. Sem o preparo dos professores, mesmo que as escolas estejam mais aptas, a tecnologia acaba não sendo usada como poderia. O dado faz parte de uma radiografia anual da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) na Educação, do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação.

A pesquisa para a elaboração do relatório foi realizada entre outubro de 2022 a maio de 2023, em 1.394 escolas particulares, públicas municipais, estaduais e federais. Participaram mais de 10 mil pessoas entre gestores, professores, alunos e coordenadores. Todas as escolas estão mais equipadas do que antes do período pandêmico, independentemente do local ou tipo de administração. Mesmo assim há problemas de infraestrutura básica, que persistem, como a qualidade da internet.

Em 41% das escolas estaduais, por exemplo, o sinal é ruim. Em mais da metade (55%), ele não chega aos locais do prédio mais distantes do roteador. As escolas particulares também são impactadas, mas em menor proporção. A maior defasagem foi localizada nas escolas rurais, onde apenas 30% dos alunos têm acesso à internet na escola e apenas 38% disponibilizam os computadores para os estudantes.

Apesar da conectividade hoje estar melhor, a internet é usada nas salas de aula em seis de cada dez escolas. Chama atenção o fato de 46% das instituições proibirem o acesso da rede aos alunos e 61%, o uso do celular. O aparelho telefônico ainda é considerado um fator de dispersão. Porém, quando os alunos estão fora do colégio, os professores tiram dúvidas dos alunos pelo aplicativo de mensagem.

Fique por dentro das inovações tecnológicas aqui no blog da https://www.itexperts.com.br/contato/

Originalmente publicado em Veja

Mantenha-se atualizado

Leia também

BlogNoticias

Mistral Large (AI) – agora disponível no Amazon Bedrock

Quero saber mais
BlogNoticias

Tripé 5G, Edge Computing e Cloud exige mudança cultural na organização

Quero saber mais
BlogNoticiasTecnologia e Educação

Estatísticas da computação em nuvem na educação mundial

Quero saber mais
Abra o chat
Olá, gostaria de um atendimento?
Olá! No que podemos te ajudar?