BlogNoticias

O que todo executivo deveria saber sobre a IA Generativa

Que conhecimentos sobre a geração de IA os líderes precisam adquirir como grupo e em suas funções individuais?

Dado o recente interesse e a proliferação de ferramentas de IA generativas acessíveis, os profissionais de alto nível devem educar-se rapidamente sobre as oportunidades que esta tecnologia oferece.

Uma pesquisa global, realizada pela Accenture com executivos, mostrou que 94% dos líderes prevêem gastar mais em tecnologia em 2024, com 75% mencionando especificamente IA e aprendizado de máquina (ML) como áreas principais de investimento.

Um entendimento básico para todos os líderes
“Já ultrapassamos a questão de ‘se’ a IA deveria ser integrada em suas estratégias de negócios”, afirma Christopher Lane, chefe de dados e IA da Accenture UKI. “É mais uma questão de: ‘Como aproveitar a IA com confiança para obter eficiência e crescimento enquanto a estrada ainda está sendo construída e as grades de proteção ainda não estão instaladas?’”

Esta falta de um roteiro está a causar preocupação aos líderes. “Quanto mais aplicamos a IA, mais vemos o seu potencial para aumentar o desempenho humano de uma forma que há apenas 18 meses seria inimaginável”, diz Lane. “Há uma preocupação fundamental que ouvimos sobre se as organizações conseguem acompanhar o ritmo da tecnologia.”

Então, de que conhecimento os líderes precisam para se sentirem mais confiantes e seguros à medida que progridem a si mesmos e às suas empresas durante este período incerto, mas emocionante?

Embora os líderes possam não precisar aprender as complexidades profundas de um algoritmo, eles precisam ter alguma compreensão de como funciona a IA generativa. Isto é particularmente verdadeiro para os CEOs, uma vez que equilibram desafios e oportunidades na gestão das suas empresas. No entanto, eles precisarão do apoio da liderança técnica da organização.

“A IA generativa está progredindo extremamente rapidamente, com vantagens significativas, mas também com riscos que precisam ser gerenciados”, explica Lane. “As decisões tomadas agora podem ter impacto no posicionamento estratégico no futuro, pelo que é essencial compreender alguns dos mecanismos da tecnologia, como funciona e como é implementada.

Novas responsabilidades para líderes técnicos
“Isso não depende apenas do CEO”, diz Lane. “É fundamental que eles tenham ao seu redor um C-suite que seja alfabetizado em IA e contenha indivíduos com uma verdadeira profundidade de competência e compreensão. Durante anos, defendemos a necessidade de profunda proficiência técnica no C-suite. Em linha com isto, acreditamos que o diretor de tecnologia (CTO), o diretor de informação (CIO) ou o diretor de dados (CDO) continuarão a desempenhar um papel decisivo no fornecimento de visão técnica e garantia para decisões importantes.”

Os líderes com competências em tecnologia e dados terão de se manter totalmente a par dos mais recentes desenvolvimentos no setor, informando os seus pares e fornecendo informações sobre o valor dos novos investimentos.

“As estratégias tecnológicas e de negócios ficarão cada vez mais interligadas, de modo que as decisões tomadas pelos CTOs terão um efeito determinante no futuro do negócio”, diz Lane.

Para cumprir esta função, os CTOs, CIOs e Chief Information Security Officers (CISOs) devem desenvolver as suas próprias capacidades de gestão de dados e as das suas equipas, ao mesmo tempo que lideram a migração da sua empresa para a nuvem, caso ainda não o tenham feito.

“Para desbloquear o valor fundamental dos dados e da IA, as empresas precisam de uma base sólida de dados centrada em uma estratégia bem pensada de migração de dados, uma plataforma de dados empresariais moderna na nuvem e um conjunto confiável, democratizado e reutilizável de produtos de dados que melhorem a eficiência e a velocidade para descubra insights novos e acionáveis”, diz Lane.

Desenvolvimentos para líderes não técnicos
Estas evoluções necessitarão, naturalmente, de novas competências a serem adquiridas no negócio. Os diretores de recursos humanos (CHROs) ou diretores de pessoal (CPOs) terão papéis cruciais a desempenhar na aquisição de talentos e na requalificação da força de trabalho existente.

“Nossa análise sugere que até 40% de todas as horas de trabalho em todos os setores poderiam ser impactadas pela IA generativa”, explica Lane. “Neste contexto, a essência do papel do CPO pode permanecer a mesma, mas a escala e o ritmo a que a força de trabalho terá de evoluir serão sem precedentes e a criticidade do papel será ampliada.”

Lane diz que os CPOs devem cumprir dois papéis fundamentais neste novo paradigma. Identificar e adquirir as competências necessárias para desenvolver novas aplicações baseadas em IA e criar uma cultura de aprendizagem contínua que ajude todos os funcionários a trabalhar em conjunto com a IA generativa.

Uma área do negócio que pode ter uma vantagem inicial nessa empreitada é a equipe de marketing. Dados da Econsultancy mostram que 75% dos profissionais de marketing estão planejando ou já usam IA generativa. Portanto, os diretores de marketing (CMOs) devem compreender as possibilidades na produção de conteúdo e quanto dinheiro podem potencialmente economizar.

Embora os CMOs fiquem satisfeitos com a capacidade de ampliar os seus orçamentos, existem questões legais e éticas significativas que devem ser consideradas. Eles precisarão se manter atualizados sobre os últimos desenvolvimentos na legislação de direitos autorais, à medida que avança a batalha para saber quem possui a propriedade intelectual do conteúdo gerado por IA. Lane também aponta a potencial reação negativa contra criativos gerados por IA.

“Sei que muitos criativos têm medo de que a tentação de poupar dinheiro através da delegação à tecnologia supere os benefícios dos ativos criados pelo homem, que podem ter maior probabilidade de encantar os seus clientes. Isto coloca uma questão fascinante para os CMOs sobre como é a excelência criativa moderna para as suas organizações.”

Um desafio coletivo
Coletivamente, o C-suite deve trabalhar em conjunto para agregar valor ao seu investimento tecnológico. Lane sugere que isso vem da identificação dos processos que podem ser melhorados pela IA generativa, antes de testar a capacidade da empresa de se adaptar a essas mudanças.

O diretor financeiro (CFO) será crucial aqui. Eles estarão em melhor posição para contextualizar o valor da adoção de novas tecnologias e priorizar diferentes necessidades estratégicas em todo o negócio. Os programas de aprendizagem automática provavelmente trarão eficiência aqui, já que o acesso a relatórios de insights de negócios deverá permitir que os líderes financeiros identifiquem facilmente oportunidades e riscos.

Abordar esses potenciais obstáculos será novamente uma preocupação para toda a equipa executiva. Os dados da Accenture mostram que, embora 69% das empresas tenham começado a implementar práticas responsáveis de IA, apenas 6% operacionalizaram essa capacidade de ponta a ponta.

“O desejo de capitalizar a inovação da IA nunca deve ocorrer às custas da transparência algorítmica, da privacidade e da segurança dos dados”, afirma Lane. “Isto não pode ser apenas uma questão de enquadramentos e princípios, mas precisa de ser apoiado por uma monitorização sistémica da forma como estão a ser aplicados.”

Fique por dentro das inovações tecnológicas aqui no blog da https://www.itexperts.com.br/blog/

Artigo originalmente publicado em Blog AWS

Mantenha-se atualizado

Leia também

BlogNoticias

Mistral Large (AI) – agora disponível no Amazon Bedrock

Quero saber mais
BlogNoticias

Tripé 5G, Edge Computing e Cloud exige mudança cultural na organização

Quero saber mais
BlogNoticiasTecnologia e Educação

Estatísticas da computação em nuvem na educação mundial

Quero saber mais
Abra o chat
Olá, gostaria de um atendimento?
Olá! No que podemos te ajudar?