BlogTécnico

Saiba o que é open source (código aberto)

Open source é um termo que originalmente se referia a software de código aberto (OSS). O software de código aberto é um código projetado para ser acessível publicamente – qualquer pessoa pode ver, modificar e distribuir o código como achar melhor.

O software de código aberto é desenvolvido de forma descentralizada e colaborativa, contando com revisão por pares e produção comunitária e geralmente é mais barato, mais flexível e tem mais longevidade do que seus pares proprietários porque é desenvolvido por comunidades e não por um único autor ou empresa.

O código aberto tornou-se um movimento e uma forma de trabalhar que vai além da produção de software. O movimento usa os valores e o modelo de produção descentralizado do software para encontrar novas maneiras de resolver problemas em suas comunidades e indústrias.

A história do código aberto é a história da internet

Nas décadas de 1950 e 1960, os pesquisadores que desenvolviam as primeiras tecnologias da Internet e protocolos de rede de telecomunicações contavam com um ambiente de pesquisa aberto e colaborativo.

A Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada (ARPANET), que mais tarde se tornaria a base da internet moderna, incentivou a revisão por pares e um processo de feedback livre.

Grupos de usuários compartilhados e construídos com base no código-fonte uns dos outros. Os fóruns ajudaram a facilitar a conversa e desenvolver padrões para comunicação e colaboração abertas. Na época do nascimento da internet no início dos anos 1990, os valores de colaboração, revisão por pares, comunicação e abertura foram escritos em suas bases.

Qual é a diferença entre software livre, fechado e de código aberto?

Por muito tempo, o software de código aberto manteve o rótulo anterior de “software livre”. O movimento do software livre foi formalmente estabelecido por Richard Stallman em 1983 através do Projeto GNU. O movimento do software livre se organizou em torno da ideia das liberdades do usuário: liberdade de ver o código-fonte, modificá-lo, redistribuí-lo – disponibilizá-lo e trabalhar para o usuário da maneira que o usuário precisasse.

O software livre existe como contrapartida do software proprietário ou de “código fechado”. O software de código fechado é altamente protegido. Apenas os proprietários do código-fonte têm o direito legal de acessar esse código. O código-fonte fechado não pode ser alterado ou copiado legalmente, e o usuário paga apenas para usar o software como se destina – ele não pode modificá-lo para novos usos nem compartilhá-lo com suas comunidades.

O nome “software livre”, no entanto, tem causado muita confusão. Software livre não significa necessariamente livre para possuir, apenas livre para usar como você quiser. “Livre como na liberdade, não como na cerveja” a comunidade tentou explicar. Christine Peterson, que cunhou o termo “código aberto”, tentou resolver esse problema substituindo ‘software livre’ por ‘código aberto’: que – para os recém-chegados – seu aparente foco no preço é uma distração. Era necessário um termo que se concentrasse na questão-chave do código-fonte e que não confundisse imediatamente os novatos no conceito.”

Peterson propôs a ideia de substituir “software livre” pelo termo “código aberto” a um grupo de trabalho que se dedicava, em parte, a conduzir práticas de software de código aberto no mercado mais amplo. Esse grupo queria que o mundo soubesse que o software era melhor quando compartilhado — quando era colaborativo, aberto e modificável. Que poderia ser usado para novos e melhores usos, era mais flexível, mais barato e poderia ter maior longevidade sem o aprisionamento do fornecedor.

Eric Raymond foi um dos membros desse grupo de trabalho e, em 1997, publicou alguns desses mesmos argumentos em seu influente ensaio “A Catedral e o Bazar”. Em 1998, em parte em resposta a esse ensaio, a Netscape Communications Corporation abriu o código-fonte de seu projeto Mozilla, liberando o código-fonte como software livre. Em sua forma de código aberto, esse código mais tarde se tornou a base para o Mozilla Firefox e o Thunderbird.

O endosso da Netscape ao software de código aberto pressionou ainda mais a comunidade a pensar em como enfatizar os aspectos práticos de negócios do movimento do software livre. E assim, a divisão entre código aberto e software livre foi cimentada: “código aberto” serviria como o termo que defende os aspectos metodológicos, de produção e de negócios do software livre. “Software livre” permaneceria como um rótulo para as conversas que enfatizavam os aspectos filosóficos dessas mesmas questões, pois estavam ancoradas no conceito de liberdades do usuário.

No início de 1998, a Open Source Initiative (OSI) foi fundada, formalizando o termo open source e estabelecendo uma definição comum para toda a indústria. Embora o movimento de código aberto ainda tenha sido recebido com cautela e desconfiança corporativa do final dos anos 1990 até o início dos anos 2000, ele se moveu constantemente das margens da produção de software para se tornar o padrão da indústria que é hoje.

Quais são os valores do código aberto?

Existem muitas razões pelas quais as pessoas escolhem o código aberto em vez do software proprietário, mas as mais comuns são:

•Peer review: Como o código-fonte é acessível gratuitamente e a comunidade é muito ativa, o código-fonte aberto é ativamente verificado e aprimorado por programadores de pares. Pense nisso como um código vivo, em vez de um código fechado e estagnado.

•Transparência: precisa saber exatamente que tipos de dados estão sendo movidos para onde ou que tipos de mudanças ocorreram no código? O código aberto permite que você verifique e rastreie isso por si mesmo, sem precisar depender das promessas do fornecedor.

•Confiabilidade: o código proprietário depende do único autor ou empresa que controla esse código para mantê-lo atualizado, corrigido e funcionando. O código-fonte aberto sobrevive a seus autores originais porque é constantemente atualizado por meio de comunidades ativas. Padrões abertos e revisão por pares garantem que o código seja testado de forma adequada e frequente.

•Flexibilidade: Devido à sua ênfase na modificação, você pode usar código-fonte aberto para resolver problemas exclusivos de sua empresa ou comunidade. Você não está preso ao uso do código de uma maneira específica e pode contar com a ajuda da comunidade e a revisão por pares ao implementar novas soluções.

•Custo mais baixo: Com o código aberto, o código em si é gratuito – o que você paga quando usa uma empresa como a Red Hat é suporte, proteção de segurança e ajuda no gerenciamento da interoperabilidade.

•Sem dependência de fornecedor: Liberdade para o usuário significa que você pode levar seu código-fonte aberto a qualquer lugar e usá-lo para qualquer coisa, a qualquer momento.

•Colaboração aberta: A existência de comunidades ativas significa que você pode encontrar ajuda, recursos e perspectivas que vão além de um grupo de interesse ou uma empresa.

Fique por dentro das tendências e inovações educacionais aqui no blog da ITExperts!

Originalmente publicado em: https://www.redhat.com/en/topics/open-source/what-is-open-source

Conheça ITExperts e nossas soluções em cloud para Educação.

Mantenha-se atualizado

Leia também

BlogNoticias

AWS Summit São Paulo: começa hoje!

Quero saber mais
BlogTécnico

Você já conhece o AWS Well-Architected?

Quero saber mais
BlogTecnologia e Educação

Boletim escolar digital: vantagens da tecnologia para instituições de ensino

Quero saber mais
Abra o chat
Olá, gostaria de um atendimento?
Olá! No que podemos te ajudar?