BlogNoticias

Engajamento e inovação contínuos

No mundo digital, atividades antes inconstantes se tornaram contínuas.

No velho mundo da TI, as entregas de software eram consideradas eventos inconstantes. Criamos projetos para fornecer recursos de software, definimos requisitos para eles, implantamos código e, em seguida, passamos para o próximo projeto.

Pelo menos essa era a teoria. Sabíamos que esses sistemas de TI precisariam posteriormente de aprimoramentos, correções de bugs e algo estranho que chamamos de “manutenção”. Estranho porque o software não precisa de manutenção.

Ao contrário de um carro que precisa trocar o óleo ou o filtro, o software continua fazendo a mesma coisa para sempre. Nós “mantemos” o software principalmente para mudar o que ele faz.

Essas atividades de manutenção foram consideradas uma consequência acidental, uma necessidade infeliz de continuar gastando dinheiro em algo já “concluído”.

Nossa perspectiva é muito diferente no mundo digital.

Reconhecemos que a composição e as metas de uma empresa mudam constantemente, seu ambiente de mercado muda, as oportunidades se apresentam, os concorrentes agem de forma competitiva, as pandemias infectam pessoas, as guerras interrompem as cadeias de suprimentos — bem, já que o software é fundamental para o que as empresas fazem hoje, e o que elas fazem muda constantemente, obviamente, o software precisará mudar. Mais do que isso: queremos que isso mude para que possamos competir melhor, permanecer resilientes e continuar o negócio.

Portanto, em vez de entregas inconstantes, a prática moderna de software trata de mudanças contínuas.

A técnica de TI reflete isso: praticamos integração contínua, implantação contínua e entrega contínua. Os modelos de aprendizado de máquina são ajustados com o novo aprendizado. Usamos a nuvem para ajustar constantemente nossa infraestrutura e outros recursos de TI.

As equipes de DevOps não apenas criam seus produtos, mas também operam e os ajustam ao longo do tempo.

Quer tenhamos percebido ou não, também estamos em um mundo de engajamento contínuo, em vez de inconstante. As organizações de TI costumavam interagir com as unidades de negócios ao planejar um projeto e novamente quando entregavam o sistema de TI resultante.

À medida que os métodos ágeis se tornaram comuns, o engajamento periódico foi substituído pelo engajamento contínuo (às vezes mediado pelo Product Owner ou por um Scrum Master).

Também interagimos continuamente com os clientes, bombardeando-os com “Como nos saímos?” e-mails e consultas do Net Promoter Score (NPS), ou mais sutilmente, por meio de dados, análises e monitoramento. Os designers de jogos podem lançar novos recursos do jogo e depois observar como os jogadores reagem.

Os designers podem testar os recursos A/B e usar os resultados para informar seus projetos. Talvez a maior mudança de memorandos para e-mails, canais e mensagens de texto do Slack seja outro sinal dessa mudança para um engajamento contínuo em vez de pontual.

Curiosamente, as áreas desafiadoras de hoje geralmente são aquelas em que o engajamento ainda não passou de infrequente para contínuo. Por exemplo, CIOs e CFOs tendem a se engajar apenas periodicamente, especialmente em relação ao tempo de orçamento. Os orçamentos anuais são atividades distintas, enquanto as atividades e os gastos de TI são contínuos.

Não é de admirar que conseguir financiamento para coisas como reduzir débito técnico seja difícil quando o CIO surpreende o CFO com a necessidade anual, em vez de conduzir uma discussão sobre os riscos que a empresa está assumindo e como remediá-los.

As auditorias anuais representam ciclos pontuais para o rastreamento da conformidade, nos quais podemos praticar conformidade contínua, aplicação de políticas e auditoria. Avaliações de desempenho periódicas, geralmente anuais, são artificiais e, às vezes, perdem oportunidades de ajustar o desempenho e os relacionamentos ao longo do caminho.

Redefinir os salários dos funcionários uma vez por ano significa que um concorrente pode roubar o funcionário com uma oferta maior durante o ano. Verificar a segurança de um sistema de TI periodicamente permite que as vulnerabilidades persistam até a próxima oportunidade de encontrá-las.

Muitas das coisas que fazemos continuamente agora só se tornaram contínuas porque novas tecnologias facilitadoras foram introduzidas ou se tornaram amplamente aceitas, como a nuvem, testes e implantação automatizados e análises sofisticadas. Mas muitas das tecnologias necessárias para tornar contínuos os processos inconstantes atuais já existem; outras surgirão quando ficar claro que elas são necessárias.

A inovação é um caso interessante. As empresas geralmente pensam em inovação em termos da introdução periódica de novos produtos, categorias de produtos ou modelos de negócios em grande escala; o surgimento repentino da IA generativa hoje pode ser um exemplo. Como eles veem a inovação como um acontecimento periódico e dramático, eles gerenciam e estruturam a inovação dessa forma.

Eles criam equipes de inovação, estabelecem comitês de inovação, buscam grandes ideias e talvez contratem consultores para descobrir por que não são disruptivos em suas indústrias.

Esse tipo de grande inovação é poderoso e geralmente é a base para a criação de uma nova startup; o sonho dos capitalistas de risco é identificar as grandes inovações e financiá-las. Mas a grande inovação também é arriscada e requer esforços significativos de controle e gerenciamento de risco (o capital de risco em si é uma poderosa função de controle).

O mundo digital oferece a possibilidade alternativa de inovação contínua e, de fato, a incentiva.

Nessa visão, os funcionários estão culturalmente focados em inovar continuamente para resolver problemas de seus clientes e melhorar as habilidades de execução da empresa. Inovação não significa apenas grandes lançamentos de novos produtos que mudarão o mundo, mas também engloba uma atitude em relação ao trabalho diário — uma aplicação constante de novas ideias nas tarefas de todos. Inovar é o trabalho de cada funcionário e gerente e não requer permissão especial.

A inovação contínua requer um tipo de gerenciamento muito diferente.

Seu risco precisa se tornar institucionalmente baixo — tecnicamente, por meio da criação de ambientes “sandbox” para experimentação, e socialmente, incentivando e esperando esse tipo de experimentação. Os controles que restringem inovações grandes e arriscadas devem ser relaxados ou simplificados (geralmente por meio da automação) para permitir que inovações incrementais de baixo risco aconteçam.

E os líderes precisam expressar uma visão na qual os funcionários inovarão continuamente, que inclua uma visão dos clientes e de suas necessidades e da base de concorrência da empresa. A inovação contínua, em vez de pontual, é consistente com a tendência geral de atividade contínua no mundo digital.

Pode ser útil para as empresas pensar até mesmo em IA generativa por meio dessa lente. Na empolgação com seu potencial ainda desconhecido, é natural pensar nas possibilidades grandes, disruptivas — e talvez arriscadas — da IA. Mas com o tempo, a IA também se tornará uma ferramenta para inovação contínua.

Hoje, pensamos nisso como algo novo ou separado da nossa forma diária de atender às necessidades corporativas por meio da tecnologia. Mas tudo indica que a IA se tornará a lente pela qual vemos o uso da tecnologia nos negócios, como a nuvem se tornou hoje.

Nesse sentido, precisamos gerenciar de forma diferente para incentivar a inovação contínua com a IA. Precisamos reduzir seu risco por meio de controles automatizados e atenção às considerações éticas. Precisamos torná-la facilmente acessível para os funcionários realizarem seus trabalhos, o que nós na AWS chamamos de democratização da IA.

Precisamos estabelecer processos repetíveis para implantar recursos de IA de forma confiável, segura e resiliente. E precisamos referenciar constantemente as necessidades e oportunidades dos clientes para melhorar os negócios para estimular o fluxo de ideias inovadoras. O conjunto de ferramentas de IA da AWS, incluindo Amazon SageMaker, Amazon Bedrock e nossos outros serviços de IA e não IA, facilitarão a incorporação da IA à inovação contínua.

Isso não quer dizer que a inovação dramática e disruptiva não seja importante. Mas as empresas tradicionais, para as quais as possibilidades disruptivas da era digital podem parecer assustadoras, devem observar que também existem abordagens incrementais e de menor risco para a inovação. E essas abordagens seguem uma visão de negócios centrada no cliente, em que inovação é a atividade diária de inventar maneiras de atender aos clientes.

Possibilitadas pela tecnologia, as práticas comerciais estão mudando. Uma forma de caracterizar essa mudança é vê-la como um movimento da atividade inconstante para a contínua. A transformação digital está centrada na transição para essa nova abordagem e na realização das mudanças culturais, organizacionais e técnicas necessárias para apoiá-la.

Se você está enfrentando desafios na transformação, talvez queira fazer uma pausa e se perguntar se há coisas que você faz que ainda estão ancoradas em formas inconstantes de pensar.

Fique por dentro das inovações tecnológicas aqui no blog da https://www.itexperts.com.br/blog/

Artigo originalmente publicado em Blog AWS

Mantenha-se atualizado

Leia também

BlogTecnologia e Educação

Conheça as vantagens do cloud computing na educação!

Quero saber mais
BlogTecnologia e Educação

Qual solução de hospedagem MoodleCloud é melhor para você?

Quero saber mais
BlogNoticias

Cloud Computing: para a tecnologia, o céu não é o limite

Quero saber mais
Abra o chat
Olá, gostaria de um atendimento?
Olá! No que podemos te ajudar?